Carregando...
Você está em:  Home  >  Comentário Bíblico  >  Artigo

Como enganar um apologista

Por   /  8 de setembro de 2018  /  Sem comentários

    Imprimir       Email

Como enganar um apologista – O caso Walter Martin

1 – Quem Foi Walter Martin

Walter Ralston Martin (10 de setembro de 1928 – 26 de junho de 1989), foi um pastor evangélico e escritor batista americano que fundou em 1960 o Christian Research Institute (CRI) como um ministério paraeclesiástico especializado em informações apologéticas. Como apologista (1965), ele foi apelidado de “pai do movimento anti-seita”. Sua vida acadêmica possui várias titulações, incluindo um Ph.D. em 1976 pela California Coast University. Martin, foi um prolixo escritor e pesquisador de movimentos religiosos.

Na década de 1950, ele estava entre os maiores pesquisadores de seitas norte-americanas. De 1955 a 1960 foi colunista regular da revista Eternity, junto com seu mentor, o teólogo presbiteriano Donald Gray Barnhouse.

 

2 – Martin e a Controvérsia com os Adventistas

Talvez a maior controvérsia pública de sua carreira tenha surgido de seus estudos sobre a teologia adventista do sétimo dia . Desde seus primeiros dias até a década de 1950, a Igreja Adventista do Sétimo Dia foi considerada pelos cristãos evangélicos e pelos protestantes tradicionais como uma seita herética. Martin aceitou inicialmente a opinião protestante predominante sobre o status herético dos adventistas do sétimo dia. Ele indicou sua oposição aos ensinamentos adventistas em um breve parágrafo na edição inaugural de seu livro The Rise of the Cults, publicado em 1955.

No entanto, ele reverteu suas opiniões após uma série de entrevistas com vários líderes da Igreja Adventista do Sétimo Dia, e na leitura de literatura adventista. Martin relatou suas descobertas iniciais a Barnhouse e, entre 1955 e 1956, uma série de pequenas conferências foram realizadas, com Barnhouse e Martin encontrando líderes adventistas como TE Unruh e LeRoy Froom . Barnhouse e Martin, em seguida, publicaram algumas de suas descobertas em uma série de artigos que apareceram na Eternity Magazine entre setembro e novembro de 1956. O ponto de vista tomado por Barnhouse e Martin era que os adventistas eram amplamente ortodoxos em doutrinas centrais, mas heterodoxos em doutrinas menores, e assim poderiam ser classificados como pertencentes ao campo evangélico. Mais tarde, Martin expandiu sua posição em um livro de 1960, intitulado A verdade sobre o adventismo do sétimo dia . O livro de Martin trazia um prefácio explicativo de Barnhouse e uma declaração de HW Lowe, que era o presidente do Grupo de Estudos e Pesquisas Bíblicas da Associação Geral dos Adventistas do Sétimo Dia. Embora Lowe não concordasse com as críticas de Martin às doutrinas distintivas da igreja, ele elogiou o livro por fornecer o que ele chamou de uma “declaração justa e precisa dos ensinamentos adventistas”.


3 – “Questões Sobre Doutrina” – um divisor de águas

Questões sobre Doutrina foi timidamente editado com cinco mil exemplares em sua primeira edição e distribuídas no final da década de 1950 e início da década de 1960 como uma resposta direta às questões dos evangélicos sobre elementos-chave da doutrina adventista. A parte mais controversa quanto à posição do livro ficou por conta da natureza de Cristo, o papel de Ellen G. White, a doutrina do Santuário e a expiação.

 

4 – As Divisões Causadas por Causa do Questões Sobre Doutrina

A obra desapontou ambos os lados. No arraial evangélico o livro teve a desaprovação da esmagadora maioria dos líderes evangélicos, dentre eles, proeminentes pesquisadores de seitas tais como o teólogo reformado Anthony Hoekema e JK Van Baalen. O conhecido pastor americano, Martin Ralph DeHaan, publicou uma crítica ao QSD em março de 1958.

A revista Eternity perdeu onze mil assinantes. Martin e Barnhouse sofreram severas críticas por lideranças evangélicas. Enquanto aumentava as cartas e telefonemas, tanto de evangélicos, quanto de adventistas tradicionais questionando o QSD.

Enquanto muitos adventistas acreditavam que o livro não estava sendo fiel às doutrinas tradicionais adventistas outorgadas pelos pioneiros e por Ellen G. White, constituindo-se assim, numa traição aos dogmas da própria IASD, os evangélicos, por sua vez, tinham certeza que o livro era apenas conversa dobre, um meio de os adventistas sustentarem suas velhas heresias com terminologia evangélica.

 

5 – Os Adventistas Falaram a Verdade Sobre Suas Doutrinas?

1ª evidência contrária – Demais apologistas da época

  1. K. Van Baalen em seu célebre livro “O Caos das Seitas” afirma que a IASD:

 

1) jamais denunciou sua pseudo-profetisa Ellen G. White;

2) jamais se retratou de alguma de suas doutrinas falsas, nem …

3) jamais renunciou sua exclusão perene do Reino — quer agora ou finalmente — de todos quantos deixam de aceitar seus dogmas.

 

2ª evidencia contrária – Os líderes adventistas

Em uma carta ao presidente da Conferência Geral, Figuhr, Froom afirmou:

“Eu não sei em que lugar tudo isso nos levará, mas sabemos que ganhamos amigos em um círculo poderoso – amigos que acreditam que fomos tratados injustamente e estamos preparados para defender nossa adesão as posições biblicamente sólidas”

Raymond F. Cottrell acreditava que o livro dizia “apenas uma parte da verdade sobre o que os adventistas acreditavam em [certos] pontos”. Nichol afirmou:

“Parece evidente que algumas declarações foram claramente feitas a Martin e algumas digitadas em forma de respostas lhe foram entregues as quais muitos de nós, mesmo ponderando cuidadosamente não podemos concordar.”

 

3ª evidencia contráriaA desconfiança do próprio Martin nas décadas subsequentes

  1. a) Os adventistas continuaram sustentando suas velhas heresias em seus periódicos
  2. b) A ameaça de Walter Martin de voltar atrás
  3. c) O debate no programa Arkenberg Show na década de 1980

 

4ª evidencia contrária – Um dos comentaristas atuais do livro QSD

George R. Knight

A maioria dos primeiros líderes adventistas e pensadores absolutamente nunca relacionou o vocábulo “expiação” à “obra sacrificial de Cristo no calvário”. Para eles, a obra de expiação de Cristo tomou lugar depois que o Salvador ascendeu aos céus; mais especificamente, durante o dia antitípico da expiação, que começou no fim dos 2.300 dias, em outubro de 1844 – p. 254,255

 

Conclusão

Os Adventistas Mentiram para Walter Martin? A definição de “mentira” é dizer uma mentira com a intenção de enganar. Incluído na definição é o ato de não contar toda a verdade, ou dizer verdades parciais com a intenção de enganar. Dada esta definição de “mentira”, a resposta simples à questão deve ser um claro “Sim, a liderança adventista mentiu para Walter Martin”. Podemos fazer grandes esforços para discutir as especificidades das palavras que eles fizeram ao explicar suas doutrinas, comparando a linguagem de QSD com posições escritas anteriores. Infelizmente, muito poucos permanecem, que fizeram parte dessa experiência. Aqueles que estavam lá, como Herbert Douglass, são claros que as Questões sobre Doutrina não estavam em harmonia com as posições adventistas históricas, e resultou em uma profunda e duradoura controvérsia dentro da Igreja Adventista.

George Knight, historiador e erudito realizado, documentou bem muitos dos problemas que surgiram da QSD. Seu livro A Search for Identity e suas anotações detalhadas nas Perguntas sobre doutrina republicadas fornecem muitos detalhes importantes que indicam que os adventistas envolvidos na elaboração do QSD não eram totalmente honestos nas formas em que articulavam as posições doutrinárias do Adventismo. Se o tivessem, Martin nunca teria abonado essa seita como “irmãos na fé” ou como sendo parte do cristianismo ortodoxo. Eles continuariam sendo, como de fato são: nada mais que uma seita pseudocristã.

 

    Imprimir       Email

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *