Carregando...
Você está em:  Home  >  Comentário Bíblico  >  Artigo

Espírito Santo e a Trindade

Por   /  30 de julho de 2020  /  Sem comentários

    Imprimir       Email

A Bíblia mostra que Deus é um, e além Dele não existe outro. Con­tudo, a unidade divina é composta de três pessoas distintas: Deus Pai, Deus Filho e Deus Espírito Santo. Não se trata de três deuses indepen­dentes. São três pessoas, mas um só Deus. Os três cooperam unidos e em um mesmo propósito, de maneira que, no pleno sentido da palavra, são um. O Pai cria, o Filho redi­me e o Espírito Santo santifica. No entanto, em cada uma dessas operações, os três estão presentes.

A Doutrina da Trindade tem sofrido grandes ataques, apesar de ser vista nas Escrituras. Evidentemente, a pala­vra Trindade não aparece em nenhum lugar da Bíblia, pois é uma expressão de cunho teológico, que foi adotada a partir do segundo século para descrever a Divindade na sua plenitude. Assim como o planeta Júpiter já existia antes que o homem lhe desse nome, a Divindade antes que fos­se descrita como Trindade já existia e era revelada em toda a Bíblia. Essa afirmação pode ser conferida em Mateus 3.16-17, Efésios 4.4-6, 1 Pedro 1.2, Judas 20-21 e Apocalipse 1.4-6.

Terceira pessoa

A terceira pessoa da Trindade é o Espírito Santo, que desceu do céu no Dia de Pentecostes. Poucas são as obras enfocando a terceira pessoa da Trindade, entretanto é evi­dente à luz da Bíblia, que o mesmo é uma pessoa distinta que já atuava desde a Criação de todas as coisas, pois quando Deus fez o homem (Gn 1.26), Ele se manifestou como Eloim, o Deus Trino.

Convém salientar que o Espírito Santo não dá testemu­nho de si mesmo, como acontece com o Pai e o Filho. A Bíblia o apresenta como um ser dotado de personalidade. Possui inteligência, emoção, vontade, autoconsciência e au­todeterminação. De sorte que a aplicação do termo “pes­soa” à Trindade deve ser feita no sentido qualitativo ou li­mitado, e não em organismos separados, conforme é usado em relação ao ser humano.

Atributos

Em toda a Palavra de Deus encontramos atributos rela­cionados com o Espírito Santo, da mesma forma que ocorre com o Pai e o Filho. Podemos destacar que Ele é eterno (Hb 9.14), onisciente (ICo 2.10), onipresente (Sl 139.7 10) e onipotente (Lc 1.35).

A terceira pessoa da Trindade também é chamada di Deus. Isso fica bem claro em Atos 5.3-4: “Disse, então Pedro: Ananias, por que encheu Satanás o teu coração, par; que mentisses ao Espírito Santo?… Não mentiste aos ho mens, mas a Deus”‘. Encontramos, ainda, o Espírito Santc sendo chamado de Senhor: “Mas todos nós, com cari descoberta, refletindo, como um espelho, a glória do Senhor, somos transformados de glória em glória, na mesma imagem, como pelo Espírito do Senhor”. 2Co 3.18.

O nome do Espírito Santo aparece também associado aos nomes do Pai e do Filho na comissão apostólica (Mt 28.19), na operação dos dons espiritu­ais na Igreja (ICo 12.4-6) e na bênção apostólica (2Co 13.13). Em Atos 2, ve­mos o derramar do Espírito sobre os dis­cípulos de Jesus. Esta experiência conmando o que João Batista declarou quando disse: “Ele vos batizará com o Espírito Santo e com fogo”, Mt 3.11. Uma igreja sem poder está fadada ao fracasso, haja vista o Espírito Santo ser a força propulsora da Igreja na Terra. Isso é notório com a experiência vivida após o Pentecostes, a co­meçar pelo próprio Pedro e a sua radical mudança.

Evidências

Confira algumas evidências bíblicas sobre o Espírito Santo como a terceira pessoa da Trindade.

  • Ele cria e dá vida (Jó 33.4).
  • Ele nomeia e comissiona ministros (Is 48.16, At 13.2 e 20.28).
  • Ele aponta o lugar onde os ministros pregar (At 16.6-7).
  • Ele instrui sobre o quê os ministros devem pregar (IPd 1.11-12).
  • Ele fala através de profetas (At 1.16 e 2Pd 1.21).
  • Ele contende com os pecadores (Gn 6.3).
  • Ele reprova (Jo 16.8).
  • Ele consola (At 9.31).
  • Ele nos ajuda em nossas fraquezas (Rm 8.26).
  • Ele ensina (Jo 14.26 e ICo 12.3).
  • Ele guia (Jo 16.13).
  • Ele santifica (Rm 15.16 e ICo 6.1 1).
  • Ele testifica de Cristo (Jo 15.26).
  • Ele glorifica a Cristo (Jo 16.14).
  • Ele tem poder próprio (Rm 15.13).
  • Ele tudo sonda (Rm 11.33-34 e 1 Co 2.10-11).
  • Ele age segundo a sua vontade (ICo 12.11).
  • Ele habita com os santos (Jo 14.17).
  • Ele pode ser entristecido (Ef 4.30).
  • Ele pode ser envergonhado (Is 63.10).
  • Ele pode sofrer resistência (At 7.51).
  • Ele pode ser tentado (At 5.9).

Só dando ênfase e lugar ao Espírito Santo, a terceira pessoa da Trindade, veremos nossas vidas totalmente renovadas e frutíferas no Reino de Deus aqui na Terra.

————–

Fonte: Ival Teodoro da Silva (Revista Pentecostes Julho/2000).

    Imprimir       Email

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *