Carregando...
Você está em:  Home  >  Comentário Bíblico  >  Artigo

O valor da Apologética Cristã

Por   /  26 de fevereiro de 2021  /  Sem comentários

    Imprimir       Email

Retendo firme a fiel palavra, que é conforme a doutrina, para que seja poderoso, tanto para admoestar com a sã doutrina como para convencer os contradizentes. (Tt 1.9 – grifo meu)

Introdução

O Cristianismo pode ser considerada uma visão de mundo presente na sociedade, dando bons frutos ao influenciar as culturas e advogar ser a única totalmente correta para se viver, por ser detentora da verdade absoluta. Existem também outras visões de mundo, quer sejam filosóficas ou crenças, que se projetam na sociedade como meios alternativos para serem aceitas. Portanto é necessário que quando houver choque entre a cosmovisão cristã e as demais é necessário que os cristãos estejam bem treinados em fazer apologia, em defender a sua fé. Este artigo busca mostrar ao leitor que a apologética é indispensável na vida de um cristão como um meio importante para solidificar e defender sua fé.

A Importância da Apologética   

Quando Jesus esteve junto aos seus discípulos em Mt 28.20 antes de ser assunto aos céus, falou a eles sobre a obrigação de ensinar, fazer discípulos. Tal ação sempre traz consigo uma realidade que Jesus viveu em seu ministério terreno ao ensinar as verdades eternas (Mt 4.23), ter que responder perguntas. O próprio Mestre por excelência foi interrogado pelos homens sobre suas convicções, teve seus ensinamentos atacados e na melhor das situações tirava dúvidas dos seus discípulos, o que fez com que Ele respondesse a contento todas as indagações.

Os textos bíblicos evidenciam que Jesus tinha argumentos bem elaborados sobre o reino dos céus (Lc 18.18-23), sobre sua identidade (Mt 11.1-11), para vencer acusações religiosas (Mc 2.23-28), para perdoar pecados (Mt 9.1-8) e por que não falar que desde sua meninice o Nazareno já se mostrava um habilidoso defensor do reino de Deus (Lc 2. 46-47). De fato, o Cristo de Deus foi o maior exemplo de apologista do que cria e vivia. Dessa maneira Ele deixou claro que a apologética é uma área importante por sua abrangência. O renomado apologista e escritor C. S. Lewis (2017, p. 10,11) enfatiza tal abrangência ao escrever:

“…minha intenção não é converter ninguém à minha posição pessoal, pois, desde que me tornei cristão, penso que talvez o melhor favor que possa fazer aos incrédulos que me cercam é explicar e defender a crença que tem sido comum a quase todos os cristãos de todos os tempos. Eu tinha inúmeros motivos para pensar assim….”

O notório escritor deixou claro que a apologética trata de assuntos globais da fé cristã, isso evidencia a concretude e aplicação da apologética para o cristão, que ao enveredar por esse caminho não alçará voos intermináveis em questões que não edificam, e as vezes geram contendas, antes tratará de temas salutares a todas as alas do Cristianismo, trazendo apenas edificação ao Corpo de Cristo e conhecimento aos incrédulos. O impacto da apologética cristã é de tal forma que simultaneamente, ela fortalece a fé dos cristãos e mostra aos incrédulos através de argumentos o incomparável valor da fé cristã, explicar e defender estão intrinsecamente ligados a apologética.

Apologética na Bíblia

A Bíblia Sagrada faz menção a apologética tanto de forma conceitual quanto na sua atuação, entende-se que esse assunto era presente já naquela época, uma vez que a fé cristã sempre será posta a prova. Observando os textos a seguir é possível entender o teor bíblico da apologética:

”antes, santificai, a Cristo, como Senhor, em vosso coração; e estai sempre preparados para responder com mansidão e temor a qualquer que pedir razão da esperança que há em vós” (1 Pe 3.15, ARC)

“… tanto nas minhas prisões como minha defesa e confirmação do evangelho” (Fp 1.7)

“…sabendo que fui posto para defesa do evangelho” (Fp 1.16).

“Amados, procurando eu escrever-vos com toda a diligência acerca da comum salvação, tive por necessidade escrever-vos e exortar-vos a batalhar pela fé que uma vez foi dada aos santos” (Jd 1.3)

“Porque as armas da nossa milícia não são carnais, mas sim poderosas em Deus para destruição das fortalezas; Destruindo os conselhos, e toda a altivez que se levanta contra o conhecimento de Deus, e levando cativo todo o entendimento à obediência de Cristo;” (2 Coríntios 10:4,5)

A palavra responder (1 Pe 3.15) e defesa (Fp 1.7,16) vem do (gr. apologia), trazendo a ideia de afirmação ou argumento racional através de um discurso. Já a palavra batalhar (Jd 1.3) (gr. epagonizesthai) semelhante em significado a epagonizomai, transmite a ideia de combate agonizante em prol de algo, competição, contenda ou debate legal visando proteger algo importante. As palavras responder, defesa e batalhar externam o conceito da apologética cristã bíblica, tendo o objetivo de lutar agonizando através de argumentos racionais para confirmar a fé cristã em detrimento das acusações e opiniões contrárias.

O apologista ao defender a fé, deve fazê-la na direção do Espírito Santo. Jesus disse que enviaria o “Espírito da verdade” (Jo 16.13), isso mostra que a única forma de proteger a verdade é atuando alinhado com o Espírito Santo, do contrário podem haver brigas, discórdias e fatos semelhantes que não acrescentam em nada a fé. Paulo disse que o apologista deveria ser “manso” e ‘sofredor” (2 Tm 2.24-25), caracterizando bem como deve ser a postura perante o embate argumentativo relacionado a fé; a firmeza e a mansidão devem ser marcas registradas do apologista que quer alinhar-se a fé para defendê-la, vale lembrar que o conhecimento incha (1 Co 8.2) e pode gerar arrogância, atitude essa que não faz parte do caráter cristão.

Apologética e sua influência na sociedade

A apologética cristã evidencia verdades relacionadas a fé cristã, como já foi dito antes, e isso é bem mais abrangente do que muitos pensam, sua atuação tem uma direção amplíssima, que pode influenciar todas as pessoas e segmentos da sociedade. Em relação aos cristãos ela fortalece a fé cada vez mais, traz segurança em um diálogo com qualquer pessoa sobre fé cristã e na hora do desânimo, das fraquezas emocionais, o aspecto racional que envolve a apologética traz um alento intelectual que atinge o espírito humano, o que interfere positivamente no devocional cristão; para os incrédulos mostra que o Cristianismo é a visão de mundo para ser vivida, pautada na coerência e verdade. Douglas Groothius (apud GEISLER e MEISTER, 2013, p. 428) expôs um brilhante comentário sobre a influência envolvente da apologética cristã:

Apologética cristã diz respeito a apresentar e defender o cristianismo como cosmovisão integrada, que seja objetiva, universal e absolutamente verdadeira, racional, conhecível e existencialmente pertinente para indivíduos e culturas inteiras. Apologética envolve refutar as acusações não cristãs feitas contra o cristianismo (2 Co 10.3-5; Jd 3), bem como apresentar uma defesa construtiva e convincente do teísmo cristão (Fp 1.7; 1 Pe 3.15).

O professor Walson Sales (2019, p. 35) também tece comentários riquíssimos sobre a apologética na sua atuação e conceito:

A Apologética perpassa por diversas áreas, tais como: teologia, filosofia, biologia, arqueologia, história, antropologia, matemática e linguística. Nessas áreas ela pode estudar lógica, manuscritos, línguas originais da Bíblia, teoria da evolução etc. A apologética é processual e sempre está em via de transformação e aperfeiçoamento. Como conceito, é a habilidade de responder fundamentado em provas adequadas e sólidas perante os ataques das filosofias seculares e crenças religiosas.

As duas citações acima são categóricas em falar sobre o tema em apreço. A primeira apresenta o Cristianismo como uma cosmovisão, ou seja, visão de mundo que atua em diversas áreas do saber tanto na esfera teórica como também na prática, advogando sobre questões palpáveis, objetivas que interferem diretamente na vida do ser humano tanto no âmbito terreno quanto espiritual, o teor de verdade absoluta manifesta que a defesa do Cristianismo exclui outras visões de mundo quanto a sua totalidade. Sendo assim as propostas do Cristianismo vão além do tempo e espaço.

A segunda, por sua vez aborda detalhadamente áreas em que a apologética se relaciona perfeitamente em prol da fé cristã, a saber, exatas, humanas, linguagens e teorias. Algumas disciplinas são áreas diferentes do saber, de forma que é raro existir essa interdisciplinaridade nos estudos pessoais. Observa-se que há resistência em estudantes de humanas em relação a exatas, para muitos pode não haver motivos para o estudante de hebraico investigar conteúdos de biologia e matemática. Entretanto, a apologética mostra um ponto de intersecção entre áreas do saber: a defesa das verdades divinas.

É comum ouvir falar de pluralismo cultural, e, nessa pluralidade muitas visões de mundo são consideradas como opções para interferir numa respectiva cultura enraizando seus pressupostos éticos ou espirituais. A educação em todos os níveis, principalmente o superior, a política e as leis, tem forte influência na sociedade. Nesse contexto, o Cristianismo é considerado como ultrapassado culturalmente pela grande maioria dos que estão em proeminência nessas áreas citadas, não sendo enxergado como uma visão de mundo sólida. O apologista pode e deve fazer a diferença nesse momento, falando sobre a importância da cosmovisão cristã de forma que seja mostrado o valor da mesma. Um dos maiores apologistas cristãos vivos hoje, William Lane Craig (2011, p. 19) fala sobre isso:

Se o evangelho deve ser ouvido como algo intelectualmente viável por mulheres e homens que pensam, então é vital que nós, cristãos, moldemos nossas culturas de tal forma que a fé cristã não possa ser descartada como mera superstição. É nesse ponto que entra a apologética cristã. Se os cristãos puderem ser treinados para fornecer sólidas evidências daquilo em que creem e boas respostas para as perguntas e objeções dos incrédulos, então a imagem que se tem dos cristãos vai pouco a pouco mudar. Os cristãos passarão a ser vistos como pessoas inteligentes, e preparadas, a serem levadas a sério, e não meros fanáticos ou palhaços. E o evangelho será uma opção concreta para as pessoas seguirem. Não estou dizendo com isso que as pessoas se tornarão cristãs por causa de bons argumentos e evidências. Antes, estou dizendo que argumentos e evidências ajudarão a criar uma cultura na qual a fé cristã seja vista como algo razoável. E ajudarão também a criar um ambiente em que as pessoas estarão abertas ao evangelho. Portanto ter uma boa formação em apologética é uma maneira vital de ser sal e luz nas culturas ocidentais de hoje em dia.

Observando bem as colocações do Craig, é visível que a apologética cristã pode influenciar toda uma cultura, e é obvio que somente a apologética não é capaz de tal façanha em prol do evangelho a parte do poder da palavra e da atuação do Espírito Santo, mas não se pode negar sua eficácia. Ao expor a cosmovisão cristã, se o cristão fizer de modo ordenado, demonstrando um raciocínio bem formado com argumentos coerentes trazendo solução a uma problemática, ele será visto com respeito; se as interrogações dos opositores ao Cristianismo forem bem respondidas, com evidências sólidas, a fé cristã deixará de ser motivo de deboche e será uma alternativa a ser empregada como mecanismo presente na sociedade, podendo com certeza ser ativa na atuação das leis, política, educação, famílias, organizações e toda e qualquer área que molde a  sociedade e a cultura.

Conclusão

Ao analisar de forma minuciosa o exposto acima e toda a problemática que o envolve, não resta dúvidas de que a apologética é importante para a o Cristianismo, pois tem amparo bíblico e é um meio para influenciar as culturas. Portanto, todo cristão convicto não pode dispensar a defesa da fé da sua vida, pois é também através dela que a cosmovisão cristã será posta em evidência perante as demais visões de mundo como detentora da verdade absoluta, algo questionado por muitos. Mas este é tema para outro artigo e outro debate.

Dyego Alves Andrade é matemático, seminarista da Esteadeb e obreiro da IEADPE em Petrolina/PE

_________

Referências.

CRAIG, William Lane. Em guarda: defendendo a fé cristã com razão e precisão. São Paulo: Vida Nova, 2009.

GEISLER, N. L; MEISTER CHAD V.. Razões para crer: apresentando argumentos a favor da fé cristã. Rio de Janeiro: Cpad, 2013

LEWIS, C. S.. Cristianismo Puro e Simples. Rio de Janeiro: Thomas Nelson, 2017.

SALES, Walson. A Existência de Deus e os Ateus: Uma Apologética com Diálogo. 2ª. ed. rev. e ampl. Recife: Fasa, 2019

    Imprimir       Email

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *