Carregando...
Você está em:  Home  >  Comentário Bíblico  >  Artigo

Os males da murmuração

Por   /  7 de julho de 2020  /  Sem comentários

    Imprimir       Email

Para muitos, palavras são apenas palavras. Porém, segundo o ensino de Jesus, em Lucas 6.45, elas são a expressão fiel daquilo que nos domina. Através da fala expressamos nosso mundo interior. Assim que falamos produz resultados em nós mesmos. Se nossas palavras forem boas, todo o nosso comportamento caminhará nesse sentido. Todavia, durante uma crise, há mal que nos rodeia: a murmuração.

Murmurar significa maldizer, difamar. Consiste em assumirmos uma postura incrédula, desesperançada e, não raro, temperada com ódio e revolta. Sem esforço, perceberemos o caráter anticristão dessa atitude. A história bíblica é marcada pela murmuração. No Antigo Testamento, Israel foi o protagonista da cena, quando no Egito, ansiava por uma pátria. Bastou poucos dias no deserto para o povo ter saudade da escravidão. A murmuração foi generalizada. Reclamaram da comida, da água, da saúde, do lugar e até da demora de Moisés no Monte Sinai. O libertador foi duramente provado. O homem mais manso da Terra irritou-se e acabou não entrando na sonhada Canaã (Nm 20.11-12). A murmuração sempre traz prejuízos.

À luz de Eclesiastes 3, existe tempo para todas as coisas. Nada é eterno. O mal que hoje nos incomoda vai passar. Precisamos compreender que certas alterações no mundo são absolutamente naturais. A vida é feita de contrastes. O dia mau também chega, mas termina, da mesma forma que a flor mais bela murchará ao anoitecer.

Senso crítico

Para afastarmos a murmuração, precisamos ter senso crítico perante todas as coisas. Seja na paz ou na tormenta, devemos perceber com clareza o que estamos vivenciando. Deus quer que refluamos cm meio à crise. Só assim teremos paz c conservaremos nossa identidade cristã.

Se não meditamos, e apenas murmuramos, perdemos visão da essência. Foi o que aconteceu com a nação judaica. Quando o Messias apresentou-se, eles estavam tão envoltos em problemas com o Império Romano que não conseguiram reconhecê-lo. Devido ao murmúrio, Israel nà conheceu o tempo de sua visitação (Lc 19.44).

O que dizer de João Batista? O próprio Cristo declarou sua grandeza (Mt 11.11). Ao batizar o Senhor, o profeta publicou a divindade do Messias. Porém, quando chegou crise, João duvidou de tudo. Do cárcere, enviou mensageiros a Jesus, querendo saber se porventura não havia se enganado (Mt 11.2-3). Essa atitude revela murmuração, c credulidade, crise de autoafirmação. Quando murmura mos, mesmo permanecendo cristãos, não conseguimos discernir bem a pessoa de Jesus.

Em nosso país. a situação não é das melhores. Enfrentamos problemas estruturais relacionados com saúde, educação, emprego, além dos frequentes escândalos públicos, envolvendo desvios de verba, jogos de interesse e corrupção quase generalizada das instituições que nos dirigem. E nesse mar de dificuldades que a murmuração surge.

Nossos problemas, porém, não se esgotam lá fora. Sempre haverá algo que nos incomode na igreja ou na comunidade cristã como um todo. Até aí, trata-se de um simples reconhecimento de um problema, nada de excepcional. Mas, esse é o limite. Se ultrapassarmos esse marco, daremos lugar à murmuração e, então, Deus se mostrará alheio ao nosso sofrimento.

Biblicamente, nossa autojustiça impede a ação divina. Em outras palavras, o Senhor sempre está disposto a interceder por nós, mas quando tomamos a frente dos problemas, Ele se afasta para que ajamos com liberdade. A murmuração produz esse efeito. Ela revela uma alma duvidosa, incrédula quanto à provisão de Deus para nossas vidas.

Equilíbrio

Fomos alertados que teríamos problemas aqui, mas Jesus prometeu sempre estar conosco. Isso é suficiente. Eleja venceu o mundo que ainda nos incomoda. Mesmo suportando o maior sofrimento. Ele não abriu sua boca; entregou-se como ovelha muda perante os seus tosquiadores (Is 53.7). Nunca reclamou, nunca murmurou contra Deus ou contra os homens. Suas atitudes e palavras revelavam uma alma equilibrada. Seus lábios só produziam edificação.

Em Filipenses 2.14, Paulo adverte: “Fazei todas as coisas sem murmurações nem contendas”. Parece que os primeiros cristãos seguiram à risca esse mandamento. Quando rebentou a perseguição geral contra a Igreja, eles se mostraram serenos. Saudaram a morte com cânticos de vitória e, sem exceção, morreram abençoando seus carrascos. Ao invés de proclamarem os erros de seus perseguidores, durante a agonia, aqueles mártires preferiam exaltar o bom nome de Cristo. Nem o fogo, nem a água, nem a espada, nem as pedras, nem as feras conseguiram mudar esse propósito.

Ainda o mesmo apóstolo ensina-nos a vencer a murmuração, quando diz: “Não estejais inquietos por coisa alguma; antes, as vossas petições sejam em tudo conhecidas diante de Deus, pela oração e súplicas, com ação de graças. E a paz de Deus, que excede todo o entendimento, guardará os vossos corações e os vossos sentimentos em Cristo Jesus”, Fp 4.6-7.

Sigamos os passos de Jesus e da Igreja Primitiva. Em tempos de crise, troquemos a murmuração pela intercessão. Assim, evitaremos o fatal destruidor (ICo 10.10).

————–

Fonte: Rui Raiol (Revista Pentecostes – Julho /2000).

    Imprimir       Email

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *