Carregando...
Você está em:  Home  >  Comentário Bíblico  >  Artigo

Quem manda: Deus ou o homem?

Por   /  5 de janeiro de 2022  /  Sem comentários

    Imprimir       Email

 

MATEUS 16.19 DIZ QUE “TUDO O QUE LIGARES NA TERRA SERÁ LIGADO NOS CÉUS, E TUDO O QUE DESLIGARES NA TERRA SERÁ DESLIGADO NOS CÉUS”. ISSO SIGNIFICA QUE O QUE DETERMINARMOS TERÁ QUE SER OBEDECIDO PELOS CÉUS?

Com a ascensão da Teologia da Prosperidade, o texto de Mateus 16.19 ganhou ênfase especial. Baseados nessa passagem, alguns pregadores dessa es­cola começaram a “determinar” e até mesmo a “mandar em Deus”. A lógica parece perfeita: se o que eu ligo aqui na Terra será ligado no Céu, então parece bastante óbvio que a Terra manda de fato no Céu. É só determinar e pronto!

Não é exagero afirmarmos que esse ensino tem ido a extremos. Para que gastar longas horas em oração se pode­mos simplesmente determinarmos que Deus faça isso ou aquilo? Para que su­plicar algo a Deus, se Ele tem o “dever” ou até mesmo a “obrigação” de endos­sar o que se determina? A Terra manda no Céu? Qualquer coisa que fizermos aqui será endossado pelo Céu?

Primeiramente, vejamos as duas formas diferentes como este texto tem sido traduzido:

a) ARC (Almeida Revista e Corrigida) – “E eu te darei as chaves do Reino dos céus, e tudo o que liga­res na terra será ligado nos céus, e tudo o que desligares na terra será desligado nos céus”.

b) ARA (Almeida Revista e Atualizada) – “Dar-te-ei as chaves do reino dos céus; o que ligares na terra terá sido ligado nos céus; e o que desligares na terra terá sido desligado nos céus”.

No original grego, as expressões éstai dedeménon (ligar) e éstati lelyménon (desligar) são um perfei­to perifrásico. No grego, o tempo perfei­to indica uma ação ocorrida anterior­mente, mas com reflexos no presente.

Ao comentar o sentido do uso do perfeito perifrásico neste texto, D. A Carson diz que nessa passagem estamos diante de uma “questão paradigmática”, e comenta: “Nesse caso, questões paradigmáticas realmente rompem bar­reiras e fazem a evidência decididamen­te pender para a tradução ‘b’”. Em pala­vras mais simples, Carson, traduz este texto como “terá sido ligado/terá sido desligado” 1. Da mesma forma, a Chave Linguística do Novo Testamento Grego, ao comentar essa passagem, afirma: “Essa construção é o futuro perfeito pas­sivo perifrásico traduzido ‘terá sido amarrado’, ‘terá sido solto’. E ainda ob­serva: “E a Igreja na Terra levando a efei­to as decisões do Céu e não o Céu ratifi­cando a decisão da Igreja”.

Thomas Ice e Robert Dean, ainda so­bre o texto, acrescentam: “Uma tradu­ção que reforça esse sentido do original grego diria o seguinte: ‘Eu lhe darei as chaves do Reino dos céus, mas o que você ligar na Terra será aquilo que já terá sido ligado nos Céus, e o que você desli­gar na Terra será aquilo que já terá sido desligado nos Céus”‘.

Em seguida, Ice e Dean explicam que os discípulos deveriam “ligar coisas na Terra, mas somente aquilo que já tivesse sido ligado no Céu (…), estabelecer o pa­drão terreno de entrada no Reino dos Céus, baseado no padrão que Deus já estabeleceu no Céu (…), e ser um medi­ador da Palavra de Deus entre Deus e o homem, e esse padrão é o que Pedro afir­mou em Mateus 16.16: que Jesus é ‘o Cristo, o Filho do Deus vivo'”.

————

Nota do Pr Martinez: O poder de ligar no céu” está na pregação do evangelho. Quando evangelizamos levamos pessoas à Cristo e assim “ligamos no céu”! Quanto ao “desligar” – tem a ver com o poder de disciplina da igreja (I Co 5).

————

JOSÉ GONÇALVES, FONTE: REVISTA “RESPOSTA FIEL” ANO 4 – N°15

    Imprimir       Email

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *