Carregando...
Você está em:  Home  >  Comentário Bíblico  >  Artigo

JESUS REIVINDICAVA SER DEUS?

Por   /  26 de outubro de 2023  /  Sem comentários

    Imprimir       Email

Entre os líderes religiosos que obtiveram um grande número de seguidores através da história, Jesus Cristo foi, na realidade, o único que afirmou ser Deus em forma de homem,

Um conceito errôneo comum é que alguns ou vários dos líderes das religiões mundiais fazem as mesmas reivindicações, mas isto simplesmente não é o caso.

Buda não reivindicou ser Deus; Moisés nunca disse ser Jeová; Maomé não se identificou como Alá; e em nenhum lugar encontramos Zoroastro reivindicando ser Ahura Mazda. Mas, Jesus, o carpinteiro de Nazaré, disse que quem visse a Ele (Jesus) via o Pai (João 14:9).

As reivindicações de Cristo são muitas e várias. Ele disse que existia antes de Abraão (João 8:58), e que Ele era igual ao Pai (João 5:17, 18). Jesus reivindica a capacidade de perdoar pecados (Marcos 2.5-7), o que é ensinado na Bíblia como algo que só Deus pode fazer (Isaías 43:25).

O Novo Testamento considera Jesus como criador do universo (João 1:3), e que Ele é aquele que mantém tudo coeso (Colossenses 1:17J.O apóstolo Paulo diz que Deus foi manifesto na carne (1 Timóteo 3:16, ARA), e João o evangelista diz que o “Verbo era Deus” (João 1:1). O testemunho de Jesus e dos escritores do Novo Testamento reunidos é de que Ele era mais que um simples homem; Ele era Deus.

Não só Seus amigos notavam que Ele afirmava ser Deus, mas também seus inimigos. Pode haver, hoje, alguma dúvida entre os céticos que se negam a examinar a prova, mas por parte das autoridades judaicas não havia dúvida.

Quando Jesus lhes perguntou por que queriam apedrejá-lo, eles responderam: “Não é por obra boa que te apedrejamos, e, sim, por causa da blasfêmia, pois sendo tu homem, te fazes Deus a ti mesmo” (João 10:33, ARA).

Este fato difere Jesus de outras grandes personagens religiosas. Nas principais religiões do mundo, os ensinamentos — não o mestre — são o mais importante.

O confucionismo é um conjunto de ensinamentos; Confúcio não é importante. O islamismo é a revelação de Alá, e Maomé é o profeta, e o budismo enfatiza os princípios de Buda e não o próprio Buda. Isto é especialmente verdadeiro para o hinduísmo, onde não há um fundador histórico.

Mas, no centro do cristianismo está a pessoa de Jesus Cristo. Jesus não só afirmava estar ensinando à humanidade a verdade; Ele afirmava que Ele era a verdade (João 14:6).

O que Jesus ensinava não é o aspecto mais importante do cristianismo, mas o mais importante é quem era Jesus. Era Ele o Filho de Deus e o único caminho para uma pessoa chegar a Deus? Estas eram as reivindicações que Ele fazia.

Suponha que o presidente de um país aparecesse em todos os canais de televisão proclamando: “Eu sou Deus Todo- poderoso. Eu tenho o poder para perdoar o pecado. Eu tenho autoridade para ressuscitar a mim mesmo”.

O programa seria imediatamente tirado do ar, e o presidente afastado de suas funções e substituído pelo vice-presidente. Qualquer um que ousasse fazer tal afirmação estaria ou fora de si ou seria mentiroso, a menos que fosse Deus.

Este é exatamente o caso de Jesus. Ele declarou claramente todas estas coisas e mais. Se Ele é Deus, como Ele declarou, precisamos acreditar nEle, e se Ele não é, então nada temos em comum com ele. Jesus é ou não é Senhor de todos nós.

A Bíblia apresenta várias razões, incluindo milagres, cumprimento de promessas, que pretendem nos convencer de que Jesus é quem Ele dizia ser (João 20:30, 31). A causa principal, ou o sinal que demonstraria, como o próprio Jesus disse, que Ele era o Filho de Deus, foi a Sua ressurreição da morte.

Quando os líderes religiosos pediram um sinal, Jesus respondeu: “Porque assim como esteve Jonas três dias e três noites no ventre do peixe, assim o Filho do homem estará três dias e três noites no coração da terra” (Mateus, 12:40; ARA).

Em outro local, quando lhe pediram um sinal, disse: “… Destruí este santuário, e em três dias o reconstruirei… mas Ele se referia ao santuário do Seu corpo” (João 2:19, 21; ARA). A capacidade de levantar a Si mesmo da morte é o sinal que O diferencia não só de todos os outros líderes religiosos, mas também de qualquer um que já tenha vivido.

Qualquer um que queira refutar a causa do cristianismo precisa justificar a história da ressurreição. Portanto, de acordo com a Bíblia, Jesus provou ser o Filho de Deus ressurgindo da morte (Romanos 1:4). A evidência de que Jesus se levantou do túmulo é avassaladora e é este o fato que prova Jesus ser Deus.

 

REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS ADICIONAIS

McDOWELL, Josh. Evidência que Exigeum Veredito. São Paulo: Candeia, 1989.

McDOWELL, Josh. Mais qy,e um Carpinteiro. Venda Nova, Mg: Betânia, 1984.

HOOVER, Arlie J. Dear Agnos. Baker Book House, 1976.

GREEN, Michael (Ed.). The Truth of God Incarnate. Eerdmans, 1977.

ANDERSON, Sir Norman. Mistery of the Incamation. Inter- Varsity Press, 1978.

 

 

Fonte: Livro – Respostas àquelas perguntas – o que os céticos perguntam sobre a fé cristã, Josh McDowell e Don Stewart,  1992.

 

 

    Imprimir       Email

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *