Carregando...
Você está em:  Home  >  Vida Cristã  >  Artigo

Qual o perfil de um jovem avivado?

Por   /  6 de março de 2020  /  Sem comentários

    Imprimir       Email

Quando se fala de avivamento, logo se pensa cm reuniões de crentes fa­lando em línguas, batendo os pés e profetizando. Má quem fale que se um pregador não tem veemência no falar não é avivado. Nesta visão equivocada, muitos têm criado um conceito pobre e vazio de avivamento.

Avivamento é o ato sobrenatural de Deus na vida do cristão que, abrindo para Ele o seu coração, torna-se solo fértil para a produção do fruto do Espírito, do batismo no Espírito Santo e dos dons espirituais. Seu efeito imediato é mudança de vida. O cristão passa a glorificar a Deus em tudo que faz (ICo 10.31) e sente-se responsável pela Igreja, não se conformando com a inércia espiritual dos demais crentes. O crente avivado está sempre em busca de alternativas para o crescimento da obra do Senhor.

O avivamento trabalha o caráter c o carisma do crente. Hoje há uma tendência doentia de supervalorizar o carisma e esquecer o caráter cristão. O carisma é importante, mas o caráter do cristão é o que conta para a salvação. Há pregadores de grande carisma que pre­gam para salões lotados usando tradicionais jargões do tipo “rece­ba!”, movimentam o povo com coreografias, gritam e até mesmo atestam milagres pela fé de alguém. Mas falta-lhes caráter para o trato. Alguns são arrogantes, materia­listas, sem amor. O avivamento anunciado por eles não tem profundidade.

O avivamento bíblico se evi­dencia pelo amor à Palavra, arrependimento, vida de oração, santificação, fruto do Espírito, interesse pelo evangelismo e manifestação dos dons espirituais. O verdadeiro avivamento começa com o arrependimento sincero. Assim testificam João Batista (Mt 3.2), Jesus Cristo (Mt 4.17) e Pedro (At 2.38 e 3.19).

Para pensar no perfil do jovem avivado, é necessário conhecer o nível de motivação dos jovens na nossa realidade. Pouco se tem feito para aproveitar o potencial da nossa juventude. Há lugares onde as atividades dos jovens resumem-se a participar de um conjunto musical e de cultos em praças. O jovem pode fazer muito mais pela obra do Senhor.

Tratar jovem como criança, irresponsável, incapaz e sem ma­turidade cristã é o estigma que sufoca uma geração que pensa. O resultado é uma multidão de jovens pentecostais que já passaram ou estão nas escolas e perderam a oportunidade de fazer a diferen­ça e influenciar a sociedade. En­quanto isso, as empresas, as or­ganizações não-governamentais e principalmente as seitas estão fazendo dos jovens seus maiores executivos.

Sem conformismo

Um jovem avivado é interessado no crescimento da obra de Deus e inconformado com a inércia espiritual de seu grupo ou igreja. Ainda que faça parte de uma igreja atuante, sempre estará comprometendo suas energias em fazer ainda mais para o Senhor. Este jovem é diferente. De certa forma, ele incomoda porque seu coração está cheio de ardor pelo evan­gelismo. Todo o seu prazer está no Senhor.

Para o jovem avivado, orar é uma atividade gratificante, de comunicação plena, além de ser uma arma infalível. O louvor está nos seus lábios ao deitar e ao levantar. Ele esis contínua adoração a Deus. Ao contrário de muitos, vai ao templo para oferecer algo sem se preocupar em pedir. Tem um ar­dente amor pela Palavra de Deus e medita nela procurando aprender mais e mais. Seu interesse pela doutrina (Teologia) é patente. Não concebe avivamento sem Escola Dominical. Em seu ambiente de trabalho, no lar e na escola, todos reconhecem o bom cheiro de Cristo em sua vida (2Co 2.14-15). Percebe-se que ele não tem mais vontade em si mesmo, pois Jesus vive nele (Gl 2.20) e sua vida está escondida no Senhor (Cl 3.3).

Os estudiosos da Bíblia sabem que é Deus quem produz em nós o avivamento (Ed 1.1, Dn 9.3 e Hb 3.2). Mesmo assim, há pre­gadores que procuram criar nos jovens um avi­vamento mecânico, onde a emoção é a base para a ação. Geralmente, se fala em centenas de batizados no Espírito Santo em determinados encon­tros, mas o que fica de edificação concreta depois é quase nada. Volta-se ao comodismo, aos maus hábitos e ao monótono cotidiano. Contudo, muitos líderes acham que a mo­cidade está bem, pois no domingo à noite os jovens estão no grande conjunto a cantar.

Quando um jovem entende e busca a plenitude de Deus para sua vida, pode-se dizer então que é um jovem avivado.

Fonte: Jossy Soares (Revista Pentecostes – CPAD –  Julho/99).

    Imprimir       Email
  • Publicado: 7 meses atrás em 6 de março de 2020
  • Por:
  • Última modificação: março 6, 2020 @ 9:52 am
  • Arquivado em: Vida Cristã

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *